Category: Numero 7 - Outubro 2008

17-12-08

EM HONRA DO DIVINO ESPIRITO SANTO

Permalink 16:51:36, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

FESTAS ANUAIS

Na linha do habitual, as Festas Anuais do Poço Redondo, em Honra do Divino Espirito Santo, padroeiro da Aldeia, mantiveram em 2008 o nível dos últimos quarenta anos, reforçando assim a posição de referência na região.

Embora por força da abertura das Escolas o Domingo e a Segunda-Feira não tenham contado com a aderência de anos anteriores, mesmo assim, a assistência situou-se na ordem de largas centenas de pessoas, que tanto pela qualidade dos conjuntos que actuaram nesses dias, como pela beleza do arraial, não quiseram deixar de estar presentes em ambiente de enorme alegria e divertimento.

Sendo das Festas do Concelho que há mais anos mantêm a mesma data – o segundo fim-de-semana de Setembro -, este ano nos dias 12, 13, 14 e 15, as Festas do Poço Redondo conduziram à aldeia largos milhares de forasteiros que, pelo menos naqueles dias, por força do ambiente saudável que as rodeou, tentaram esquecer os tempos difíceis que atravessamos tanto no plano económico como no plano social.

Com um programa criteriosamente elaborado, merece especial destaque não só o nível dos Conjuntos Musicais que abrilhantaram os festejos e as extraordinárias actuações do Rancho Folclórico “Os Frialeiros” e do Grupo “Toca a Rufar”, como a imponente procissão do Domingo, após a Missa celebrada pelo Revº Padre Tiago Moita, na qual se incorporaram dezenas de andores, fogaças e folares, numa clara demonstração de apoio à Comissão de Festas.

De igual modo, merece ainda referência especial o empenho e a dedicação dos colaboradores habituais das Festas – na montagem e desmontagem do arraial - e da população em geral, bem como o carinho e o bom gosto das colaboradoras que enfeitaram a Capela e os Andores dos Santos, com bonitos e elaborados arranjos florais.

Por tudo isto “O POÇO” não pode deixar de se congratular com a minúcia e a forma cuidada de como a Comissão organizou o evento, por, no mínimo, atestar que quando existe vontade e motivação, mesmo os obstáculos difíceis serão sempre transponíveis.

EDITORIAL

Permalink 16:47:33, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Num país com uma preocupante taxa de analfabetismo, não deixa de ser sintomático o facto de no curto espaço de um ano terem sido encerradas duas universidades, com uma terceira na corda bamba, mais para lá do que para cá, nas quais uma mão cheia de políticos, alguns dos quais em funções governativas, terão conseguido as suas licenciaturas.

Longe vão os tempos em que os “brindes” da Farinha Amparo faziam a alegria da criançada e serviam de justificação para a origem de muitas coisas, sendo normal associar esta marca a situações de origem duvidosa, com o termo “se o não conseguiu de outra forma é porque lhe saiu na Farinha Amparo”.

As assimetrias são cada vez maiores e hoje quando ouvimos ilustres personagens a falar de justiça social, temos de entender tal abordagem como uma autêntica falácia, por nem os próprios acreditarem no que dizem.

Existem milhares de famílias onde as crianças apenas conhecem a boa alimentação pelos folhetos dos espaços comerciais, já que nos frigoríficos das suas casas para lá dos frangos e outros ingredientes menores, pouco ou nada mais entra.

A preparação de quem nos governa é e será sempre feita nas Universidades e Estabelecimentos de Ensino equiparados. É lá que se adquire o saber e o conhecimento, mas se a isso não adicionarmos o bom senso, a sensibilidade para a causa pública, a honestidade, a verticalidade e o respeito pelo seu semelhante, não serão os cursos, por si só, que preparam as pessoas para vida. A experiência consegue-se ao longo dos anos, mas se a montante a preparação não fôr adequada, por mais que se insista “não passaremos da cepa torta”.

O futuro nunca poderá ser risonho, se não o alicerçarmos no presente com respeito pelo passado. De contrário, será caso para dizer: “estamos entregues aos bichos”.

Américo Pereira

LIMPEZA DA FONTE DO VALE DA SERPA

Permalink 16:45:44, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Começando apenas como a desmatação da área há cerca de quinze anos, veio posteriormente a proceder-se à reconstrução das edificações existentes e hoje a Fonte do Vale da Serpa, cuja recuperação integral se verificou em 1998, é motivo de romaria anual, normalmente no pino do verão.

Para uns, os mais velhos, uma excelente oportunidade para recordar tempos antigos, quando um cântaro de água, enchido em nascente natural, a mais de um quilómetro da povoação, tinha de suprir as necessidades domésticas em pelo menos um dia. Para outros, os mais novos, uma boa razão para melhor compreenderem como um agregado familiar conseguia resolver as suas necessidades com pouco mais de 20 litros de água por dia, quando hoje, com o simples rodar de um manípulo de torneira, se desperdiçam dezenas de litros em igual período.

Por tudo isto o que agora é denominado por “Limpeza da Fonte do Vale da Serpa”, que este ano aconteceu no passado dia 27 de Julho, representa muito mais que a “limpeza” propriamente dita, por constituir um forte motivo de convívio e, porque não dizê-lo, de viagem ao passado, onde entre o esfregar da roupa na pedra do tampo do tanque e o corar de outra ao sol, as lavadeiras punham em dia as notícias da terra e davam a conhecer a novidades de Lisboa, chegadas escritas em papel amarelado, no cabaz de verga forrado com serapilheira, em “despacho” na camioneta do dia anterior.

Como habitual e após concentração junto ao edificio-sede da Associação, por volta das 9,30 horas, a rapaziada dirigiu-se ao local, pela estrada já antes limpa e arranjada pela Junta de Freguesia de Olalhas, onde pouco depois, com a ajuda de moderno equipamento, roçadouras mecânicas e máquinas de pressão alimentadas a gerador, iniciaram os trabalhos de limpeza e ampliação do charco para onde escorrem as águas, que serve de habitat a algumas famílias de ranídeos, vulgo rãs.

Pelas 13,00 horas, foi servida uma refeição “ligeira”, à base de grão de bico, carnes de porco, vaca e enchidos, normalmente conhecida por “rancho”, para os intervenientes nos trabalhos e convidados, na ordem das setenta pessoas, entre os quais o executivo da Junta de Freguesia de Olalhas. Embora não tenha havido discurso ou outra qualquer intervenção do género, os presentes não deixaram de agradecer ao Presidente da Junta de Freguesia de Olalhas e demais elementos que o acompanharam, o empenho demonstrado nos trabalhos, tanto no arranjo da estrada que dá acesso ao local, como pelo fornecimento da gravilha, tipo bago de arroz, para embelezamento do recinto, este dominado na sua quase totalidade pela sombra de um plátano, cuja envergadura constitui riqueza insofismável para toda a envolvência.

Desta feita o repasto foi oferecido pelo sócio Manuel Filipe Antunes. Para o ano, se Deus quiser, lá estaremos de novo, com o sócio Manuel Lopes Júnior a garantir o petisco.

VI PASSEIO DE CICLOTURISMO

Permalink 16:40:01, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Com a participação de mais de vinte amantes das bicicletas, decorreu no passado dia 28 de Junho o VI Passeio de Cicloturismo, Poço Redondo/Barreiras (Serra)/Poço Redondo, num percurso de cerca de 25 km, por entre mata e vinhedos, com paragem e descanso numa zona paradisíaca da albufeira do Zêzere.

Tratando-se de uma actividade ao ar livre, com efeitos muito positivos para a saúde, o grosso do pelotão foi essencialmente constituído por jovens que, utilizando “máquinas” das mais diversas, não tiveram grandes dificuldades em vencer os obstáculos naturais dos pisos de terra batida e muito menos as subidas e descidas nos troços em alcatrão.

Contando ainda com uma vasta equipa de apoio, o almoço foi serviço à beira rio, num recanto de um dos braços da albufeira, com a Ilha do Lombo em pano de fundo, à sombra dos pinheiros, onde, apesar de tudo, não faltaram as bebidas frescas e as sobremesas à altura.

Como normalmente tem acontecido em passeios anteriores, o convívio foi enriquecido pela presença de vários associados que embora por não poderem ou não quererem submeter-se a este tipo de esforço, não deixaram de participar no almoço e, ao longo da tarde, mostrar os seus dotes de jogadores de cartas ou de verdadeiros especialistas em mergulhos.

RIR É O MELHOR REMÉDIO

Permalink 16:38:11, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Um homem no bar, bebia e olhava para o bolso dentro da camisa. Depois bebia mais uma 'bejeka' e voltava a olhar para dentro da camisa! O barman indignado com a situação, vira-se para o homem e decide perguntar-lhe:
- Oiça lá, porque é que sempre que bebe olha para dentro da camisa?
O homem responde:
- No bolso tenho uma fotografia da minha mulher.. quando ela tiver bonita já posso ir para casa!

COMISSÃO DE FESTAS 2009

Permalink 16:35:23, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Concluídas as Festas de 2008, a importância do evento, principal suporte financeiro das obras efectuadas no Lugar, obriga a que atempadamente se comece a trabalhar para o próximo ano, para assim evitar que a técnica do “desenrasca”, tantas vezes utilizada pelos portugueses, nem sempre com sucesso, se possa instalar entre nós.

Como é público e notório, frequentes são as vezes em que a dificuldade para “arranjar” voluntários nos obriga a situações de recurso, muitas vezes difíceis de ultrapassar.

2009 irá contar com uma equipa de luxo, constituída pelos sócios José Lagoa Martins (mordomo); Engº Manuel Gomes de Sousa Paiva e Dr. Nuno Filipe Martins Antunes, que pela larga experiência que têm nestas andanças, não irão, por certo, deixar seus créditos por mão alheias.

Recorde-se que já todos eles fizeram parte de várias Comissões de Festas, com o sócio José Lagoa Martins a liderar a tabela, somando cinco presenças nos últimos vinte anos.

A esta distância e porque estamos cientes que tudo irá correr pelo melhor, não podemos deixar de lhes desejar as maiores felicidades, porque o êxito da equipa será o êxito de todos nós.

SEGREDOS DA AVÓ

Permalink 16:33:50, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

COSTELETAS DE CARNEIRO COM JARDINEIRA

Ingredientes
• 6 costeletas de carneiro
• 3 batatas pequenas
• 2 nabos
• 2 cenouras
• 250 g de ervilhas
• manteiga, limão, sal e pimenta, q.b.

Preparação
Descascam-se, lavam-se e cortam-se em quadradinhos pequenos os nabos, as cenouras e as batatas. Deitam-se com as ervilhas numa panela com água a ferver, temperada com sal. Quando os legumes estiverem cozidos, escorrem-se temperam-se com uma boa colher de manteiga e guardam-se num tacho. À parte, grelham-se costeletas de carneiro, previamente bem batidas; depois de grelhadas, untam-se com manteiga, temperam-se com sal, pimenta e sumo de limão. Dispõem-se numa travessa, rodeiam-se com os legumes cozidos e rega-se tudo com manteiga derretida e mais sumo de limão.

Sabia que …

Permalink 16:29:10, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

O tremoço, leguminosa da mesma família das ervilhas e das favas, é extremamente tóxico quando colhido da planta, ainda em grão seco. Só depois de cozido e demolhado se torna comestível.

Já na antiguidade era consumido por vários povos que lhe reconheciam propriedades vantajosas sendo mesmo, para alguns deles, tido com um alimento básico.

Mais nutritivo do que o leite ou a carne, embora não os substitua, o tremoço é rico em proteínas, em vitaminas do complexo B e E, cálcio, fósforo, potássio, ferro, fibras e ácidos gordos insaturados (ómega 3 e 6), e logo excelente para os ossos. Reduz o apetite e além de contribuir para um bom funcionamento do trânsito intestinal, ajuda a controlar a taxa de açúcar no sangue e o colesterol, tendo ainda propriedades emolientes, diuréticas e cicatrizantes.

ACTIVIDADES DO PRÓXIMO TRIMESTRE

Permalink 16:27:38, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Outubro
dia 11 – VIII Torneio Aberto de Sueca

Novembro
dia 1 – VI Feiras das Tasquinhas, em Olalhas
dias 15 e 16 – V Mostra de Artesanato
dis 29 – 33º Aniversário da Associação

Dezembro
dia 20 – Festa de Natal
dia 31 - Réveillon

PORTUGUESES SÃO DOS QUE MENOS CONSOMEM VITAMINAS E MINERAIS

Permalink 16:25:47, Categories: Numero 7 - Outubro 2008  

Uma empresa norte-americana, líder em pesquisa e desenvolvimento de produtos de saúde, encomendou um estudo onde compara a utilização de suplementos de vitaminas e minerais em vários países, como a Alemanha, Hungria, Brasil e China, ao longo de 2007, do qual se concluiu que 19% da população portuguesa com mais de 18 anos toma regularmente vitaminas e minerais.

De acordo com os elementos obtidos, Portugal encontra-se ainda muito longe de Países como a Holanda, Canadá e Austrália, onde mais de metade da população consome este tipo de suplementos.

Combate á fadiga e ao stresse, aumento de energia, melhoria da memória e concentração e o preenchimento de falhas nutricionais, são as razões mais indicadas.

Quanto aos meses do ano em que se verifica o maior consumo de suplementos de vitaminas e minerais, os inquiridos indicaram o mês de Outubro.

:: Next Page >>